19 MÉTODOS DE GENOCÍDOS REVELADOS - ELES NOS QUEREM MORTOS!

Surpreenda-se com 19 métodos de genocído que eles podem usar contra nós.

MICROCHIP OBRIGATÓRIO PARA BEBÊS A PARTIR DE MAIO DE 2014

O que estava previsto está se cumprindo!

A ARCA DE NOÉ FOI ENCONTRADA!

PORQUE ESTÃO NOS MANTENDO NA IGNORÂNCIA?

Teste Teste Teste

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Libéria confirma morte de médico que trabalhava no controle do ebola

Médicos com equipamentos de proteção cuidam de pacientes de Ebola no centro de gerenciamento de casos em Monrovia, na Libéria Foto: HANDOUT / REUTERS

MONRÓVIA, Libéria - Um renomado médico da Libéria morreu vítima de ebola, segundo informações divulgadas por autoridades do país neste domingo. Além disso, um médico americano foi infectado pelo vírus no país do Oeste Africano. Os dois casos acendem o alerta sobre o controle da doença, já que os profissionais que tentam combater a propagação do vírus mortal também estão sendo afetados.

Samuel Brisbane é o primeiro médico da Libéria a morrer em meio ao surto da doença que, segundo a Organização Mundial de Saúde, já matou 129 pessoas no país, e mais de 670 em outras nações do Oeste Africano. Um médico da Uganda que trabalha no país morreu no início deste mês.
A OMS diz que o surto, o maior já registrado, já matou 319 pessoas também em Guiné e 224 em Serra Leoa. Até o último dia 23, o número total de casos nos três países era de 1.201.
Na Nigéria, funcionários do governo anunciaram, na sexta-feira, que um oficial da Libéria morreu de Ebola depois de voar de Monrovia para Lagos via Lome, em Togo. O caso ressaltou a dificuldade de prevenir que vítimas de Ebola façam viagens, devido aos fracos sistemas de rastreio da doença e ao fato de que os sintomas iniciais, como febre e dor de garganta, assemelham-se muitas outras doenças.
Os profissionais de saúde estão em sério risco de contrair a doença, que se espalha através do contato com fluidos corporais.
O médico Kent Brantly, um americano que ajuda a combater o surto na Libéria, está recebendo tratamento médico intensivo no país, depois de ter sido infectado pelo ebola, segundo uma porta-voz da organização humanitária norte-americana Samaritan's Purse. Brantly estava em condição estável. Ele conversa com seus médicos e trabalha em seu computador, enquanto recebendo cuidados.
No início deste ano, Brantly foi citado em um artigo sobre os perigos que enfrentam os profissionais de saúde a tentar conter a doença.
"Em outros surtos de Ebola, muitas das vítimas eram os trabalhadores da saúde que contraíram a doença através de infectados durante o trabalho de cuidar de pessoas", disse.
Um importante médico de Serra Leoa também foi infectado na semana passada, embora o chefe do departamento médico local, Brima Kargbo, tenha dito que, no domingo, ele estava "bastante estável e respondendo bem ao tratamento".
O médico da Libéria, Brisbane, que serviu como conselheiro médico para o ex-presidente da Libéria, Charles Taylor, foi trabalhar como consultor na unidade de medicina interna do maior hospital do país, o John F. Kennedy Memorial Medical Center, em Monróvia. Depois de adoecer com Ebola, ele foi levado para um centro de tratamento, nos arredores da capital, onde morreu, disse o assistente do ministro da saúde Nyenswah Tolbert.
Sob a supervisão de profissionais de saúde, membros da família puderam velar acompanhar o sepultamento do corpo do médico na região oeste da cidade, disse Nyenswah.
Ele acrescentou que um outro médico que estava trabalhando na Libéria estava sendo tratado por Ebola no mesmo centro onde Brisbane morreu.
A situação "está ficando mais e mais assustadora", disse Nyenswah.
A notícia da morte de Brisbane começou a circular no sábado, data marcada pelo feriado nacional em comemoração à independência da Libéria.
A presidente Ellen Johnson Sirleaf usou seu discurso do Dia da Independência para discutir uma nova força-tarefa para combater o Ebola. O ministro da Informação Lewis Brown disse que a força-tarefa iria "de comunidade em comunidade, de aldeia em aldeia, de cidade em cidade", a fim de aumentar a conscientização.
Enquanto isso, o fato de que um liberiano infectado possa poderia ter feito um voo para a Nigéria levantou novos medos de que outros passageiros levem a doença para além de África.
Aeroportos internacionais da Nigéria fizeram o rastreio dos passageiros que chegam de outrs países, e as autoridades de saúde também estão trabalhando nos portos e fronteiras terrestres para aumentar a conscientização sobre a doença. O governo de Togo também disse que está em alerta máximo.
Analistas de segurança foram céticos sobre a utilidade dessas medidas, no entanto.
"No caso da Nigéria, as condições atuais de segurança são ruins. Então, duvido que isso vá ajudar ou ter a eficácia mínima que estão esperando", disse Yan St. Pierre, CEO da empresa alemã de consultoria em segurança Mosecon.

Um surto em Lagos, uma populosa cidade onde muitos vivem em condições precárias, poderia ser um grande desastre de saúde pública.

O Ebola é altamente letal (90% das pessoas contaminadas morrem) e o vírus é muito contagioso. Acredita-se que o surto na África Ocidental tenha começado em janeiro, no sudeste da Guiné, embora os primeiros casos não tenham sido confirmados até março.
Desde então, profissionais tentam conter a doença, isolando as vítimas e educando populações sobre como evitar a transmissão. Trabalhadores tentam vencer todas as dificuldades para manter a doença sob controle.

Em Serra Leoa, onde foi registrado o maior número de novos infectados nos últimos dias, o primeiro caso com origem em Freetown, a capital do país veio à tona quando uma cabeleireira chamada Saudata Koroma adoeceu. Mas ela foi retirada à força de um hospital do governo por sua família, o que provocou uma busca frenética terminada na sexta-feira. O médico-chefe Kargbo disse no domingo que Koroma morreu na ambulância quando era transportada para um centro de tratamento, no leste do país.


Read more: http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/liberia-confirma-morte-de-medico-que-trabalhava-no-controle-do-ebola-13399125#ixzz38mndVijj

Ovelha nasce com apenas um olho gigante e deixa proprietário intrigado

Imagens mostram uma ovelha mutante que nasceu com apenas um olho e deixou um agricultor turco sem palavras.
A imagem do cordeiro de um só olho deixou o agricultor turco completamente mudo, como mostra o vídeo abaixo.
No clipe o agricultor mostra as características faciais inacreditáveis da ovelha para a câmera.
Ele também incentiva o pequeno cordeiro a tentar andar, um ato de equilíbrio complicado para qualquer criatura que acabara de nascer.
Ovelha nasce com apenas um olho gigante
Vídeo mostrou ovelha nascida com apenas um olho gigante deixando agricultor turco que registrou as cenas sem palavras com o caso bizarro.
O animal recém-nascido acaba caindo no chão durante suas tentativas. Assista:
11


Fonte: Mirror

Mais evidências apontam que o açúcar é “potencialmente tóxico” e que bebidas e alimentos açucarados podem matar você



Uma nova pesquisa publicada na revista JAMA Internal Medicine, revela que a ingestão do açúcar adicionado em alimentos como refrigerantes, cereais e bolos, tem efeitos além dos que nos fazem engordar. Ele também pode aumentar de forma significativa nosso risco de morrer por doença cardíaca.

De acordo com o estudo, se você receber mais de 25% de suas calorias diárias a partir de alimentos e bebidas com adição de açúcar, você tem o triplo do risco de chance de morrer de doença cardíaca. Até mesmo o consumo moderado é desagradável; 10 a 25% por dia, aumenta o consumo calórico de risco cardiovascular em 30%. Isto significa que ingerir apenas uma bebida açucarada por dia é suficiente para aumentar o risco de doenças cardiovasculares mortais. Uma lata de Coca-Cola, por exemplo, contém 35 gramas de açúcar e 140 calorias.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, devemos limitar o adicional de açúcar para cerca de 10% do total de nossas calorias diárias. Mas o estudo, liderado por Quanhe Yang dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta, revelou que 71,4% dos adultos dos EUA consomem mais do que a dose recomendada.
Para chegar nessas conclusões, os pesquisadores analisaram dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Exames de Nutrição sobre rastreamento de mortalidade (NHANES), que foi realizado em etapas, entre 1988 e 2010. Os dados foram extraídos de mais de 43.000 casos individuais, e comparados com a mortalidade por doença cardíaca durante um período típico de cerca de 14 anos, onde foram registrados um total de 831 mortes relacionadas a problemas cardiovasculares.
De acordo com Laura A. Schmidt, professora de política de saúde na UC San Francisco School of Medicine, o açúcar é visto cada vez mais como uma substância tóxica. "Estamos no meio de uma mudança de paradigma na pesquisa sobre os efeitos do açúcar na saúde, um alimento consumido em taxas muito elevadas pelo povo americano”, disse.
A pesquisa se refere a todos os açúcares utilizados em alimentos processados ou preparados, tais como bebidas adoçadas com açúcar, sobremesas à base de cereais, sucos de fruta, sobremesas lácteas, doces e pães de fermento. Essa taxa não corresponde aos açúcares naturais, como os presentes em frutas e seus sumos.
"É uma lista de açúcares, que inclui açúcar regular, xaropes de milho, mel e xarope de bordo. Em termos de composição, os principais culpados incluem bebidas esportivas (37%), sobremesas, tais como os pudins (14%), bebidas de frutas (9%), sobremesas lácteas (6%) e doces (6%)”, relata a pesquisa.
Fonte: Io9 

Estudo de 13 anos com 8.423 pessoas mostra que ibuprofeno e diclofenaco aumentam riscos de ter AVC



Medicamentos analgésicos usados por milhões de pessoas diariamente têm sido associados a um maior risco de arritmia cardíaca, o que poderia provocar um acidente vascular cerebral.

A chance extra de desenvolver a fibrilação atrial é de 84%, afirmam pesquisadores holandeses.
A arritmia é uma das principais causas de AVC, pois as câmaras superiores do coração ficam fora de um ritmo regular e batem muito mais rápido do que o normal, o que faz com que o sangue se acumule e forme um coágulo.
No Brasil milhões de pessoas com artrite tomam analgésicos, incluindo antiinflamatórios, como o diclofenaco e o ibuprofeno. No estudo, a saúde cardíaca de 8.423 pessoas, com idade de 55 anos ou mais, foi monitorada desde 1990, em Roterdã, Holanda.
Os casos de fibrilação atrial foram diagnosticados usando gravações rítmicas do coração, enquanto os detalhes dos medicamentos prescritos foram recolhidos em farmácias. Durante o período de acompanhamento médio de pouco menos de 13 anos, 857 participantes desenvolveram fibrilação atrial. Destes, 261 nunca tinham usado antiinflamatórios quando foram diagnosticados, enquanto 554 já haviam usado, e 42 estavam ingerindo estes medicamentos no momento da pesquisa.
O uso atual foi associado a 76% de maior risco de fibrilação atrial do que para aqueles que nunca haviam tomado analgésicos. Idade, sexo e problemas cardíacos subjacentes foram levados em conta.
Percebe-se que os antiinflamatórios podem contribuir para problemas de ritmo cardíaco pelo aumento da pressão arterial como um resultado da retenção de líquidos. Bruno Stricker, do Centro Médico Erasmus, em Roterdã, disse que a pesquisa anterior tinha mostrado uma ligação entre fibrilação atrial e esses analgésicos. "Nossos resultados também sugerem que o aumento do risco ocorre logo após o início do tratamento e podem desaparecer ao longo do tempo", acrescentou. “Apesar dos antiinflamatórios não serem muito eficazes para o tratamento da dor, é importante que ambos os riscos e benefícios sejam considerados cuidadosamente antes de serem prescritos”.
Só no Reino Unido, no ano de 2010, mais de 17 milhões de prescrições foram emitidas para analgésicos.
O ibuprofeno pode ser comprado com farmacêuticos e em supermercados, além de comprimidos contendo diclofenaco em doses muito mais baixas do que na prescrição. Cerca de dez anos atrás, a droga anti-artrite Vioxx foi tirada do mercado por conta do aumento do risco de ataques cardíacos e derrames.
A pesquisa, publicada na revista médica The Lancet, descobriu que o naproxeno foi o analgésico mais seguro. Os pesquisadores analisaram também que as doses de analgésicos prescritos pelos médicos equivalem ao dobro da quantidade diária recomendada para dores de cabeça e outros males menores.
http://www.jornalciencia.com/saude/corpo/3818-estudo-de-13-anos-com-8423-pessoas-mostra-que-ibuprofeno-e-diclofenaco-aumentam-riscos-de-ter-avc

Alerta: Os perigos do sabonete antibacteriano e sua aprovação considerada polêmica



O estado de Minnesota, nos EUA, proibiu, recentemente, a venda de sabonetes antibacterianos que levam um componente chamado ‘triclosan’.

O produto químico é associado a uma série de problemas relacionados à resistência de bactérias e está presente em aproximadamente 75% de todos os sabonetes líquidos no mercado.
Outros estados norte-americanos estão em processo para tomar a atitude da proibição, seguindo os passos de Minnesota. Mesmo assim, a decisão só entra em vigor a partir de 2017.
FDA admite que não há benefícios
Produtos com o triclosan são frequentes em nossa vida desde a década de 90, não só estando presentes nos sabonetes líquidos, como também em maquiagem, tábuas de corte e protetores de colchão. Mesmo assim, nunca houve comprovação científica para a eficiência dos sabonetes “antibacterianos”, o que torna o caso absurdamente irresponsável.
O projeto inicial, desenvolvido em 1978, chegou a comprovar, inclusive, que o triclosan foi totalmente ineficaz, pela FDA (Food and Drug Administration) que é o órgão governamental dos EUA responsável pelo controle dos alimentos, suplementos alimentares, medicamentos, cosméticos, equipamentos médicos, materiais biológicos e produtos derivados do sangue humano.
O órgão pode não ter ainda, a prova definitiva de que o sabão antibacteriano cause danos, mas eles provaram, após 42 anos de pesquisas e estudos independentes, que estavam errados. “O FDA não encontrou evidências dos benefícios do triclosan. Neste momento, as pesquisas não comprovam que o produto presente em sabonetes antibacterianos possa ser mais efetivo que um produto tradicional”, declarou o órgão em um certificado aberto.
Será que não faz mal?
A realidade é que o sabão antibacteriano realmente não está fazendo nenhum bem à saúde; na verdade, é mais provável que ele esteja causando danos, teoricamente.
Em vários estudos com animais, o triclosan tem influenciado o sistema endócrino através de uma complexa interação de hormônios que regulam a maior parte dos aspectos do crescimento de um animal e sua reprodução.
A exposição ao triclosan mostrou uma redução na contagem de esperma em peixes machos, além de ter acelerado o início da puberdade em fêmeas de camundongo, e diminuído a presença dos hormônios da tireóide em ratos machos. Devido a estes achados em estudos com animais, a FDA e a EPA (órgão de proteção ambiental dos EUA), estão colaborando em pesquisas para estudar o efeito da droga sobre o sistema endócrino humano.
Já há algumas evidências de efeitos colaterais. No entanto, um pequeno estudo na Noruega mostrou que as crianças com maiores concentrações de triclosan em sua urina (um dos efeitos da exposição ao triclosan) eram mais propensos a desenvolver alergias sazonais.
No último mês de dezembro, o FDA emitiu uma proposta de decisão exigindo que os fabricantes de sabão antibacteriano provassem a eficácia de seus produtos. Até agora a espera continua.
É um desastre ambiental
Os sabonetes antibacterianos, podem não só estar nos prejudicando, como também fazendo mal ao ambiente que nos cerca e não é só através do triclosan que vai parar em nossos esgotos em enorme quantidade, como também com sua presença em alguns tipos de pesticidas.
A EPA diz que o triclosan pode se anexar a sólidos e sedimentos em suspensão nos cursos de água, o que significa que criaturas em posições mais altas da cadeia alimentar, poderia ingerir ou entrar em contato com altas concentrações do composto.
Mas não são apenas os animais. Alguns estudos têm mostrado que as plantas cultivadas em ambientes contaminados com triclosan conseguem absorver o composto e metabolizá-lo, criando um conjunto de novos compostos de triclosan, que os cientistas estão começando a relacionar com as verduras que comemos.
Provavelmente, o nosso sabão antibacteriano está comprometendo a vida nos oceanos. De acordo com um estudo recente, o triclosan é de 100 a 1.000 vezes mais eficaz em matar algas, crustáceos e peixes, do que os micróbios.
Além de tudo, nos deixa vulneráveis
Como se tudo isso não fosse ruim o suficiente, tem como ficar pior.
Sabe-se que, quando as bactérias desenvolvem resistência a uma droga, muitas vezes essa resistência se estende a outras drogas similares. Já estamos vendo algumas bactérias com resistência a triclosan, e os pesquisadores temem que as cepas resistentes ao triclosan, à Escherichia colie ao gênero Salmonela, também possam se tornar resistentes às drogas antibacterianas mais fortes, usadas para combater infecções graves em um ambiente hospitalar.
Então, como escapar disso tudo? Basta usar um sabonete normal. A verdade nua e crua é que sabonetes antibacterianos não carregam qualquer benefício real – que tenha comprovação científica sobre o sabonete em si, não a substância isolada usada em testes em vitro. E as empresas que os fazem sempre souberam disso. Dê uma olhada de perto no rótulo do sabão antibacteriano da próxima vez que estiver no supermercado. Ele provavelmente vai dizer algo como "mata 99,9% das bactérias mais comuns”, além de ter um asterisco que, olhando atrás da embalagem, verá que os testes foram feitos com apenas 1 tipo de bactéria, no máximo dois.
Nem "todas" as bactérias. Apenas "as bactérias mais comuns." Aquelas que estão sempre presentes em sua pele e que (com exceção de algumas graves condições médicas) não vão lhe causar nenhum problema. Na verdade, uma boa lavagem com água e sabão é o suficiente para eliminar, praticamente, todos os germes que você precisa eliminar.
Portanto, reflita quando estiver comprando seu próximo sabonete, em barra ou líquido, ao fazer suas compras do mês no supermercado.
Fonte: Gizmodo / FDA / HuffingtonPost Foto: Reprodução / Prwatch / Healthyhomecleaning / likar.inf

Seguidores