19 MÉTODOS DE GENOCÍDOS REVELADOS - ELES NOS QUEREM MORTOS!

Surpreenda-se com 19 métodos de genocído que eles podem usar contra nós.

MICROCHIP OBRIGATÓRIO PARA BEBÊS A PARTIR DE MAIO DE 2014

O que estava previsto está se cumprindo!

A ARCA DE NOÉ FOI ENCONTRADA!

PORQUE ESTÃO NOS MANTENDO NA IGNORÂNCIA?

Teste Teste Teste

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

INDÚSTRIAS ESTÃO USANDO "COLA DE CARNE" PARA FAZER PARECER QUE A PEÇA É INTEIRA.

SE FAZEM ASSIM NOS EUA, IMAGINEM AQUI NO BRASIL......

Este é pequeno segredo sujo da indústria da carne. É chamado de "cola de carne. " 

Cola na carne está sendo usada para combinar cada peça de carne. A carne é parecida com real depois misturado com cola de carne em pó. Mas é muito perigoso.

Pedaços de carne bovina, cordeiro, frango ou peixe, que normalmente seria jogada fora ficar juntos tão intimamente que se parece com um pedaço sólido de carne.


Quando você vai comprar um bife no mercado local, a última coisa que você esperaria ter um segredo, especialmente embrulhado em plástico transparente. No entanto, este terá que pensar duas vezes!

Aqui está o vídeo. Pense duas vezes depois que você assistir a este.


Por Dr. Mercola
É a sua carne feita de pedaços colados com "cola de carne"? Esta exposição revela como você pode estar sendo enganado sobre a carne que você compra - e por que a prática perigosa ´´e mais mais provável.ter intoxicações alimentares .
 Algumas razões para que você nunca mais coma carne em sua vida
O filet mignon costumar ser um dos pratos mais caros do cardápio. E isso não se discute quando estamos falando de um belo de um filet mignon. Mas aquele bife suculento que chega a sua mesa talvez seja nada além de uma trapaça.
Recentemente, uma prática muito comum entre as cozinhas dos EUA foi revelada. A tramoia funciona assim: o cozinheiro pega dois pedaços de uma carne qualquer – das mais baratas, de preferência – e as gruda com uma substância chamada transglutaminase, mas pode chamar de Cola de Carne. O resultado são dois filés comuns transformados em um filet mignon aparentemente suculento.
Se você ainda não viu o vídeo, por favor, clique e estar pronto para se surpreender.
Até agora a maioria das pessoas provavelmente perceber que a carne moída contém carne de centenas de animais de diferentes partes do mundo, mas poucos jamais suspeitar que o mesmo acontece com as carnes de cortes nobres! Bem, isso é possível através do uso da chamada cola de carne, usado para "super-cola" pequenos pedaços de carne juntos que são muito pequenas para vender, e passá-lo fora como cortes nobres ...

E não é só isso: a transglutaminase permite aos chefs de cozinha criações ao melhor estilo Frankenstein, como peixe com pele de pato e quaisquer outras invenções que sua imaginação permitir. Apesar de a notícia vir dos EUA, nada impede que o “jeitinho americano” seja aplicado aqui. Talvez seja o caso de aceitar o convite da plaquinha e realmente começar a visitar a cozinha dos restaurantes.

O que é a cola na carne ?
Cola A carne é uma enzima chamada transglutaminase. Algumas colas à base de carne são produzidas através da cultura de bactérias, enquanto que outros são feitos a partir do plasma de sangue de porcos e vacas, especificamente o coagulante que faz coagular o sangue.
Quando aspergido sobre uma proteína, como carne, forma, polímeros insolúveis de proteína de ligação cruzada que age essencialmente como uma super-cola, ligando as peças com cerca de costuras invisíveis. A carne coberta de cola é enrolado em filme plástico, seguido de refrigeração. Alguns fabricantes têm chegado tão proficiente na prática que mesmo um açougueiro perito não pode dizer a diferença entre um pedaço de carne nobre e que foi colado junto com pedaços de retalhos!
Cola de carne também é utilizada para:
Suínos / presuntoCordeiroProdutos da pesca, tais como bolas de peixe
FrangoCarne de caranguejo de imitaçãoCarnes processadas

Curiosamente, a Ajinomoto é uma das líderes em transglutaminase. i Você pode reconhecer esse nome, pois também é um dos líderes no aspartame. Segundo seu site, transglutaminase também é usada para "melhorar a textura geral" de uma variedade de alimentos de lado de carne, tais como iogurte e queijo sem gordura.

Colar carne antiética e potencialmente perigosos

Em primeiro lugar, há a questão óbvia de enganar os consumidores. Os fabricantes de alimentos não são obrigados a divulgar o que eles fizem, você pensa que está comprando um corte nobre, quando na verdade você está pagando o dólar superior para bits colados e peças que de outra forma teriam sido descartados ou vendidos por uma fração do custo.
Mas, além do fato de que ele é uma farsa pura, há a maior possibilidade de contrair uma intoxicação alimentar destas carnes.
Você conhece as estatísticas de que comer carne vermelha vai tirar alguns anos de sua vida e você provavelmente também sabe sobre a gosma rosa (se não sabe, eis aqui uma boa oportunidade!).

Se, por algum motivo, você ainda está hesitando, aqui estão sete razões pelas quais você pode querer pensar duas vezes antes de comer sua próxima porção de carne, sendo todas elas produto da exploração animal na indústria alimentícia. As informações são do Care2.

A lista abaixo esclarece que a indústria da carne é nojenta e absurda, mas também é necessário entender que não há nenhuma justificativa para se comer carne, mesmo aquela que não passou por processos industriais. O sofrimento animal é indubitável em abatedouros e não há a menor chance de se aprovar eticamente este abuso.

O que o artigo mostra são algumas consequências do próprio processo industrial da carne que, além da crueldade característica, também injeta nos animais abusados um número enorme de substâncias que nem mesmo são divulgadas.

Superbactérias

Pensando em hambúrgueres de peru para o jantar esta noite? Você pode querer pensar novamente.

Um relatório recentemente liberado da Administração de Comidas e Drogas constatou que, de todo o peru cru moído testado, 81% estava contaminado com bactérias resistentes aos antibióticos. E o peru moído não foi o único problema. Estas bactérias foram encontradas em cerca de 69% de costeletas de porco, 55% de carne moída e 39% de carne de frango.

Bactérias resistentes aos antibióticos são conhecidas como superbactérias. O uso de antibióticos em explorações de fábrica, a fim de trazer os animais para abate ou para compensar pelas condições de aglomeração em lotes de alimentação, é uma das razões pelas quais a resistência aos antibióticos está em ascensão. Os dados do governo revelaram que um tipo resistente aos antibióticos, um germe chamado Enterococcus faecalis, normalmente encontrados nos intestinos humanos e animais, foi predominante em uma grande variedade de carnes. Isto significa que a carne provavelmente entrou em contato com matéria fecal e que existe uma alta probabilidade de que outras bactérias resistentes aos antibióticos estejam na carne também.

Ainda quer comer aquele hambúrguer?

Antibióticos

Antibióticos são usados ​​em gado para fazê-los crescer mais rápido e para prevenir doenças. Mais ou menos 13,6 mil toneladas de antibióticos foram vendidos em 2011 para carnes e aves de produção em comparação com as 3,2 mil vendidas para uso humano, de acordo com o Pew Charitable Trusts – e esse número não para de aumentar.

Dr. Gail Hansen, um veterinário e diretor sênior para a Campanha sobre Saúde Humana e Agricultura Industrial da Pew, acredita que o uso de antibióticos em animais esteja fora de controle.

“Nós alimentamos antibióticos para animais doentes, o que é totalmente apropriado, mas também colocamos antibióticos na sua alimentação e na água para ajudá-los a crescer mais rápido e para compensar pelas condições anti-higiênicas. Se você tem que manter os animais saudáveis ​​com drogas, eu diria que você precisa reexaminar o sistema. Você não toma antibióticos, preventivamente, quando você sai para o mundo”, esclareceu Hansen.

Ainda quer o hambúrguer?

Produtos de limpeza

Os distritos escolares e os pais não tinham tido conhecimento de que cerca de 3,2 milhões de quilos de carne servidos em cantinas escolares vinham de pedaços de carne varridos do chão e passado através de uma série de máquinas, que os tritura em uma pasta, separa a gordura e passa a substância com amônia para matar as bactérias, como salmonela e E. coli.

O produto final, conhecido como gosma rosa, ficava nojento. Os jatos de amônia usados ​​para matar a bactéria E. coli realmente enojou a todos.

Acontece que há também outro produto de limpeza usado na produção de carne. Segundo o site MeatPoultry.com, “99 por cento dos processadores de aves americanas” esfriam seus “pássaros por imersão em banhos resfriadores com água clorada”.

Delícia.

Cola de carne

O que você acha que é um pedaço de carne, talvez um filé mignon, que muitas vezes acaba por ser composta de pedaços de carne unida em conjunto com algo comumente referido como “cola de carne.” Oficialmente conhecido como “transglutaminase”, o produto tem suas origens na indústria agrícola, quando a enzima natural era colhida do sangue animal. Hoje em dia, é produzida através da fermentação de bactérias.

A Associação de Comidas e Drogas decidiu que cola de carne é “geralmente reconhecida como segura”, e que é necessário ser listada como um dos ingredientes. No entanto, é improvável que qualquer restaurante liste os ingredientes de sua carne no menu.

Já pensou em ser vegetariano?

Produtos químicos, pesticidas e metais pesados

Em 2010, a inspeção geral do Departamento da Agricultura condenou os EUA por permitir que carne contendo pesticidas, metais pesados​​, medicamentos veterinários e outros produtos químicos fossem para as prateleiras dos supermercados. Isso porque os padrões dos Estados Unidos para testar a carne de pesticidas e produtos químicos eram tão ruins que, em 2008, o México devolveu um carregamento de carne americana, porque não satisfazia as suas normas de traços de cobre.

Que tal um hambúrguer vegetariano?

Hormônios

Se tratando da carne exportada pelos Estados Unidos, é tão cheia de hormônios que a União Europeia já disse que não a quer. O Comitê Científico da Comissão Europeia sobre Medidas Veterinárias afirma que a produção de carne cheia de hormônios dos EUA representa “um aumento nos riscos de câncer de mama e câncer de próstata”, citando as taxas de câncer em países que comem e não comem carne bovina dos EUA. Talvez você não saiba, mas os hormônios sintéticos zeranol, acetato de trembolona e acetato de melengestrol fazem parte da rotina da receita para a produção de carne bovina nos EUA.

Monóxido de carbono

Alguma vez você já se perguntou por que os bifes na prateleira do supermercado são tão vermelhos? Isso porque, até 70 por cento das embalagens de carne nas lojas são tratadas com monóxido de carbono para manter a cor vermelha da carne (oximioglobina) para que ela não fique marrom ou cinza (metamioglobina) através da exposição ao oxigênio.

Nota da Redação: Reforçando os primeiros parágrafos, não há justificativa para o consumo da carne, mesmo fora da indústria alimentícia. A vida do animal precisa ser levada tão a sério quanto a vida humana e o artigo demonstra os resultados de toda a crueldade e objetificação nos processos industriais. Este vídeo mostra como um boi, ao saber que será morto, tenta fugir desesperadamente do abate, e nestamatéria publicada pela ANDA, podemos ver as reações das pessoas ao presenciarem as situações de crueldade e brutalidade de um matadouro.


FONTE:

http://www.cantinhovegetariano.com.br/2013/12/algumas-razoes-para-que-voce-nunca-mais.html
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2011/05/04/has-your-meat-been-glued-together--why-you-need-to-know-and-avoid-this-dangerous-process.aspx 

domingo, 31 de agosto de 2014

Bebidas energéticas podem fazer mal ao coração, aponta estudo

Consumo em excesso pode causar arritmias, angina e até mesmo morte súbita


Pessoas que possuem problemas cardíacos devem evitar o consumo de energéticos
Foto: Bloomberg/Patrick T. Fallon


Os energéticos, bastante consumidos por jovens em festas, podem levar a problemas no coração, diz estudo apresentado neste domingo durante o Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, que acontece em Barcelona até quarta-feira. Segundo o autor da pesquisa, o professor Milou-Daniel Drici, da Faculdade de Medicina de Nice, na França, o consumo em excesso dessas bebidas pode “levar a condições adversas incluindo angina, arritmia cardíaca e até mesmo morte súbita”.

— Cerca de 96% dessas bebidas possuem cafeína, com uma lata típica de 250 mililitros contendo o equivalente a dois cafés expressos. A cafeína é um dos mais potentes estimulantes dos receptores de rianodina e leva a uma grande liberação de cálcio dentro das células cardíacas. Isso pode causar arritmias, mas também tem efeitos sobre a capacidade do coração de se contrair e usar oxigênio — afirma Drici.

O estudo analisou diversos casos associados ao consumo de energéticos entre janeiro de 2009 e novembro de 2012 e contou com a participação de 15 especialistas, incluindo cardiologistas, psiquiatras, neurologistas e fisiologistas. Durante o período, foram reportados 257 casos, sendo que 212 forneceram informações suficientes para análise.

Os especialistas informaram que, dos casos reportados, 95 apresentaram sintomas cardiovasculares, 74, psiquiátricos; e 57, neurológicos, com sobreposição em alguns. Paradas cardíacas ou mortes inexplicadas aconteceram em ao menos 8 dos casos, enquanto 46 pessoas apresentaram arritmia, 13 tinham angina e 3, hipertensão.

— Nós encontramos que a síndrome da cafeína era o problema mais comum, acontecendo em 60 pessoas. Ela é caracterizada por taquicardia, tremores, ansiedade e dor de cabeça — diz Drici. — Eventos raros, mas severos, também foram associados a essas bebidas, como morte súbita, arritmia e parada cardíaca.

O médico recomenda que pessoas que já apresentam algum problema no coração devem evitar o consumo de energéticos, pois a cafeína pode “exacerbar a condição com consequências fatais”. Drici também alerta sobre o risco de consumo dessas bebidas durante exercícios físicos ou misturadas com álcool.

O público precisa saber que os energéticos não devem ser consumidos durante ou após exercícios físicos, como outras bebidas desenvolvidas para esse propósito — diz Drici. — Quando usados em coquetéis alcoólicos, a cafeína das bebidas energéticas permitem que os jovens superem os efeitos negativos do álcool, levando a um consumo ainda maior de cafeína.
Drici também sugere que os médicos alertem pacientes com doenças cardíacas sobre o risco potencial dessas bebidas:
— Os pacientes raramente mencionam o consumo de bebidas energéticas aos médicos, a não ser que sejam questionados.


O mistério por trás do desmaio de 200 meninas na Colômbia

Meninas colombianas sofrem desmaios / Crédito: El Heraldo

Mais de 200 meninas sofrem com os sintomas, mas o mistério da causa deles ainda não foi desvendado
Nos últimos 12 dias, os médicos de El Carmen de Bolívar, uma cidade no norte da Colômbia, já atenderam pelo menos 200 meninas com sintomas muito parecidos: desmaios, tonturas, dor de cabeça, dormência e formigamento em várias partes do corpo. A razão para essas reações ainda é um mistério.

Elas não foram as primeiras a darem entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen com quadro similar. De acordo com o prefeito de El Carmen de Bolívar, Francisco Veja, foram registrados um total de 276 casos como esse desde o meio do ano. Todos com adolescentes, sendo a maioria deles estudantes do Colégio Espírito Santo.
O próprio Ministro da Saúde da Colômbia, Alejandro Gaviria, citou na última quinta-feira "246 meninas que apareceram com sintomas bizarros".
Diante desse quadro, aumentaram as especulações sobre as causas que estariam levando as jovens a desmaiarem. Na falta de um diagnóstico preciso, multiplicam-se as teorias que correm no boca a boca entre os colombianos.
Para acabar com as especulações, especialmente as que ligam os casos a uma possível reação adversa à vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV), o ministro da Saúde convocou uma coletiva de imprensa e revelou a hipótese "que parece mais provável no momento" – e que é, inclusive, "apoiada por especialistas". Segundo Gaviria, os sintomas seriam uma ‘resposta psicogênica em massa’.

'Medo coletivo'

"A resposta psicogênica em massa é uma espécie de sugestão de medo coletivo que se contagia de um lado para o outro e termina apresentando um fenômeno estranho", explicou o ministro aos jornalistas.
"Os sintomas aparecem, mas quando os médicos vão examinar clinicamente as meninas, não encontram nenhum tipo de doença."
O ministro citou casos similares ao redor do mundo, um deles que aconteceu no Taiwan, após uma campanha de vacinação em massa para prevenir a gripe suína (N1H1), e outro na Austrália, mas sem dar datas, nem mais detalhes de como aconteceram.
Garotas colombianas / Crédito: El Heraldo
Famílias das garotas colombianas sofrem com falta de diagnóstico para o problema
No entanto, Gaviria insistiu que as meninas estão, sim, doentes.
"Não é que essas meninas não estejam doentes, elas estão. Não estamos subestimando o problema. O problema tem que ser levado a sério e seguiremos acompanhando e apoiando a comunidade, mas isso não parece ser um problema de uma doença clínica."
Alejandro Gaviria ainda acrescentou que o Ministério da Saúde colombiano quer trabalhar nesta semana com a Associação Colombiana de Psiquiatria, que se mostrou disposta a se deslocar até El Carmen de Bolívar para estudar os casos.
O ministro novamente reiterou que o motivo para os sintomas nas garotas não aparenta ser clínico e que nada tem a ver com a vacina contra o vírus do HPV. "Não há nenhuma evidência que possa haver uma relação entre as duas coisas", acrescentou ele, insistindo que tem o apoio da Organização Mundial da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde "e de todas as associações científicas."

Mistério continua

As explicações do ministro não convenceram a todos. "A coletiva de imprensa dele abalou os ânimos de vários pais das garotas", explicou Vicente Arcieri, jornalista da sucursal do El Heraldo em Cartagena das Índias.
Uma hora depois da coletiva de imprensa, várias pessoas protestaram por cinco horas em Troncal de Occidente - a estrada que liga o interior do país com a costa - pela postura das autoridades com o caso.
O jornalista Vicente Arcieri está acompanhando bem de perto o caso e esteve no Hospital Nuestra Señora del Carmen na última quinta. Segundo ele, somente nesse dia, 10 meninas deram entrada no hospital com os sintomas já conhecidos – desmaios, tonturas, dormência e formigamento em várias partes do corpo.
Foram esses os casos mais recentes de um fenômeno que tem preocupado cidadãos e autoridades colombianas há meses. Dez das primeiras pacientes que deram entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen estão sendo tratadas em Bogotá, no Hospital Infantil Universitário de San José.
Uma delas é a filha de María Romero. Foi a primeira das que apresentaram os sintomas em El Carmen de Bolívar, no dia 21 de março. Elas recorreram primeiro ao centro de saúde da região e tiveram que voltar para lá pela mesma razão em 23 de abril.
"Desde então não tivemos descanso", contou Romero à BBC por telefone.
No hospital de Bogotá, disseram que o resultado de um teste feito com a filha de Romero apontou que ela teve intoxicação por chumbo, assim como outra menina do grupo.
O chefe de toxicologia do hospital, Camilo Uribe, explicou na quarta-feira ao diário colombiano El Tiempo que não havia características claras ou específicas que indicassem o que as outras pacientes poderiam ter. E acrescentou que os próximos exames estariam focados em endocrinologia, imunologia e psiquiatria.
As autoridades informaram que o diagnóstico sairá em uma semana. Uma resposta que poderá acabar com o mistério e acalmar os ânimos na Colômbia.
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/08/140829_misterio_meninas_colombia_rm.shtml?ocid=socialflow_facebook

Acre pede ajuda ao governo federal para risco de ebola em fronteira com Peru

Estado teme que imigrantes senegaleses tragam o vírus ao entrarem no Brasil

Haitianos e Senegaleses chegam clandestinamente à cidade de Brasiléia, no Acre Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo


O Acre pediu ajuda ao governo federal para impedir que o vírus ebola chegue ao estado. A intenção é que técnicos do órgão federal atuem na fronteira com o Peru para controlar a entrada de imigrantes senegaleses, que tem se intensificado nas últimas semanas.

Na última sexta-feira, o Senegal confirmou o registro do primeiro caso de paciente com vírus ebola. A vítima é um estudante da Universidade de Conakry, de 21 anos, que está em quarentena na capital Dakar, onde chegou com sinais de hemorragia na última quarta-feira. O jovem veio da Guiné, um dos países com maior número de mortes e doentes.
De acordo com o governo do Acre, o pedido de ajuda foi feito durante a vinda da ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) Ideli Salvatti, ao estado. Segundo o portal de notícias G1, atualmente existem 267 imigrantes em abrigos no estado. E embora a maioria tenha vindo do Haiti, 39 são do Senegal.
Ainda segundo o governo do Acre, funcionários da Polícia Federal, da Receita e de outros ministérios que atuam em fronteiras estão temerosos quanto à falta de estrutura para lidar com possíveis imigrantes infectados por ebola.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que o vírus já tenha feito 1.552 vítimas fatais e contagiou, ao todo, 3.069 pessoas. Na Guiné, origem do paciente do Senegal e onde o primeiro caso foi detectado em março, 430 mortes já foram registradas.

http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/acre-pede-ajuda-ao-governo-federal-para-risco-de-ebola-em-fronteira-com-peru-13784303?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo

Avô faz desafio do balde com bebê e enfurece o pai da neta



m homem de Houston (Texas, EUA) está sendo investigado pela polícia local após postar um vídeo no Facebook em que força a neta de 10 meses a participar do desafio do balde de gelo, que se tornou uma febre no mundo. 

"Eu fui convocado a fazer o desafio do balde do gelo e minha neta vai fazê-lo comigo", diz Reggie Stewart no vídeo pouco antes de virar o balde sobre a sua cabeça e a do bebê. 

O pai do bebê, Claude Dalcour, viu o vídeo e ficou indignado. Ele não está mais morando com a mãe da filha, mas os dois continuam legalmente casados.

"Fiquei chocado, fiquei boquiaberto. Aquilo me levou às lágrimas. É um abuso porque minha filha é um bebê. Ela não sabia o que estava acontecendo", comentou Claude à Fox.


De acordo com a emissora, Claude denunciou o sogro à polícia. Agentes visitaram a residência de Reggie para verificar a situação da criança, mas, por enquanto, o avô não foi indiciado. Ele não falou com a imprensa desde que o episódio ganhou TVs, sites e jornais dos EUA.
O desafio do balde de gelo foi promovido inicialmente pela ALS, instituição que cuida de portadores da esclerose lateral amiotrófica. Várias celebridades aderiram à causa.
Até o ex-presidente americano George W. Bush aderiu à brincadeira beneficente /

http://oglobo.globo.com/blogs/pagenotfound/posts/2014/08/30/avo-faz-desafio-do-balde-com-bebe-enfurece-pai-da-neta-547855.asp?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo

Seguidores