Não confio no Google, nem devo!


O propósito original da Google, motor de busca mais intrusiva do mundo, foi reunir todo o conhecimento humano e torná-lo acessível a todos - para o lucro.
Recentemente, uma pesquisa feita por funcionários do Google usou um banco de dados grandiosamente apelidado de "caixa de conhecimento ", como base para a afirmação de que "nós

.fomos.. capazes de prever com segurança a confiabilidade de 119 milhões de páginas web e 5,6 milhões de sites."

Sim, certo. Google provou ser tão confiável que eu, por exemplo, já não confiar nele. Aqui estão apenas alguns dos motivos.

Vamos voltar para o início do Google. A palavra em si é realmente um erro. A palavra que os novatos geeks que fundaram o Google estava procurando era "Googol", termo dos matemáticos para um 1 seguido de 100 zeros - um número muito grande. E eles têm corrigido o seu erro? Não.

Para os executivos do Google, a empresa foi fundada numa garagem. Não, não foi. A verdade é, que foi fundada em uma villa suburbana e arborizada. Havia uma garagem anexa, e os geeks colocaram alguns  computadores velhos e normalmente passavam um dia, um mês lá, para que pudessem mais tarde alegar que a Google era apenas mais  corporação tradicional do Vale do Silício.

Quando a Google não está colorindo seus próprios fatos, de onde ele os pegam? Um lugar, de acordo com a corporação é – de todas as coisas – a Wikipédia, o banco de dados menos confiável do mundo, conhecida entre os estudiosos como “a enciclopédia que qualquer idiota pode editar mas à qual apenas um cretino daria crédito”.

Um número crescente de universidades ativamente proibiu os alunos de usar ou citar Wikipedia, - especialmente em lemas marxistas como a mudança climática - leva, inexoravelmente um postura one-sided . Se os "fatos" do Google "Knowledge Vault" vem da Wikipedia, e se o Google decide que, no futuro, ele irá classificar sites por sua "veracidade" em vez de quantas batidas obtem, então todos teremos de parar de usar Google 

Em 14 de outubro de 2009, dei uma palestra para o Minnesota Free Market Institute. Cerca de 1.200 pessoas lotaram o anfiteatro em St Paul. Lá, expliquei que em dezembro a ONU estava planejando forçar a classe governante do mundo a configurar a ONU como um “governo” do mundo, usando o clima como pretexto.

Citei capítulo e versículo - Artigos 36 e 38 do anexo 1, para ser mais preciso - do projeto de Tratado de Copenhague, que deverá ser assinado em dezembro daquele ano, na Dinamarca, por 194 nações. E expliquei que qualquer tratado. Juntamente com a sua série inevitável dos tratados sucessores, significaria o fim da democracia, em todo o mundo, assim como os vários tratados europeus já destruíram a democracia no continente muito que lhe deu o seu nascimento e seu nome.

Alguém filmou os quatro últimos minutos do meu discurso e postou no YouTube. O vídeo ser tornou viral de da noite para o dia. Dentro de uma semana, um milhão tinha visto isso - talvez a platina mais rápida do YouTube para qualquer discurso político. 

Então, recebi um telefonema da Texas A&M University. Um professor de lá me contou que eu tinha sido vítima de um ataque interessante. Ele disse que algumas dezenas de páginas falsas na Internet tinham sido criadas, com conteúdo sem nexo. Mas no meio do conteúdo sem nexo estavam as palavras “Monckton video”.

Agora, a Google vai alegar que, atualmente, seu motor de busca classifica os sites de acordo com a popularidade deles. Bem, de acordo com o professor da A&M, o segredo sujo é que o Google vai adiantar as suas páginas no ranking desde que você pague para que o faça. E alguém pagara muito dinheiro para adiantar algumas dezenas de páginas sem sentido à frente do vídeo do meu desfecho em Minnesota, para que as pessoas em busca de “Monckton video” pegassem telas e mais telas de coisas sem sentido e desistissem.

Funcionou. O contador de acessos – o qual o professor disse que caminhava para 20 milhões – parou aos 2,5 milhões.

Funcionou... 

Quanto isso custou? O professor disse que o mínimo do mínimo foi 250.000 dólares. Alguém abastado estivera de fato muito determinado a prevenir a propagação do conhecimento das verdadeiras intenções da ONU, as quais – como disse o co-presidente de seu Grupo de Trabalho III em um artigo revelador na Neue Zürcher Zeitungon de 14 de novembro 2010 – não têm absolutamente nada a ver com a mudança climática e tudo a ver com redistribuir a riqueza através de uma autoridade governamental global.

O problema é que a maneira mais fácil de ganhar dinheiro nos dias de hoje não é pela livre iniciativa, mas pelo “capitalismo” de compadres – ou seja, enriquecer às custas do contribuinte por bajular a classe governante.
Quase todas as doações políticas corporativas da Google e as dos seus executivos vão para os “Democratas”. Então, como se pode colocar qualquer confiança na seleção dos “fatos” do Google na sua grandiosa “Caixa do Conhecimento”?

-==================
Um par de exemplos. Fox News, em sua cobertura do papel Google, disse o seguinte: "Os pesquisadores do Google dá, como exemplo, sites que dizem que o presidente Obama nasceu no Quênia; tais sites seriam penalizados no ranking do Google, enquanto sites que corretamente dizem que ele nasceu em os EUA seria dado um impulso no ranking ".

Aqui está um teste. Leia a minha declaração juramentada, escrito depois de meses de investigação, a pedido de uma sociedade de advogados, no Havaí. Depois de lê-lo, como você pode estar confiante de que "certidão de nascimento" de Obama do Havaí é genuíno? E, se há um caso enunciáveis que não é genuíno, como é que sabemos onde Obama nasceu?

No entanto, esse é o exemplo de um "fato" de que os pesquisadores do Google escolheu para dar.
O Google também interveio - interferiu seria uma palavra melhor - no debate sobre o clima. Seus capitalistas compadrio vai junto com a linha do partido comunista quase por unanimidade. Como muitos de seus alardeados "2,8 bilhões de fatos" mencionar que não houve aquecimento global por até 18 anos, e nenhum estatisticamente distinguível de zero por mais de 26 anos? Ou que, em setembro do ano passado a extensão global do gelo do mar estava em seu maior no registro do satélite de 35 anos?

Eu não confio no Google. Nem deve. O tempo está chegando quando medidas ativas vão ter de ser tomadas para garantir que qualquer pessoa - no entanto, rico ou poderoso - que abusa de uma posição dominante no mercado para vender falsidades não corrigidas como se fossem verdade deveria ser processado por isso. Se há uma escolha entre o processo formal de exame e as provas cross-exame e as crenças francamente marxistas na cercadinho dos executivos do Google, dá-me os tribunais qualquer dia.

Leia mais em I don't trust Google. Nor should you.
 http://www.wnd.com/2015/03/i-dont-trust-google-nor-should-you/#yTBLm5AXPSXzVx6f.99
Share on Google Plus

Sobre: Adrien marinho II

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: