Estudos sobre o câncer são uma 'grande FRAUDE'; Mesmo assim, América Latina aprova VACINAS "contra" o câncer de pulmão



"Todos devem saber que a maioria das investigações sobre o câncer são uma grande fraude, e que as principais organizações de investigação de câncer na verdade abandonam seus deveres para com as pessoas que deveriam apoiar." - Linus Pauling, PhD (Duas vezes prêmio Nobel).

Alguma vez você já se perguntou por que razão, apesar dos bilhões de dólares gastos em investigação oncológica durante muitas décadas e, a constante promessa de uma cura que está sempre "muito perto", o câncer continua a aumentar?

Uma pesquisa recente mostra que a maioria dos estudos voltados para a investigação do câncer são imprecisos e, possivelmente, até mesmo fraudulentos.


Mesmo assim, na América Latina, foi aprovado a primeira vacina terapêutica contra o câncer de pulmão.

O câncer esta aumentando

Quando muito raro, o câncer é hoje a segunda maior causa de morte nos países ocidentais como a Austrália, o E.U.A. e Reino Unido. No início dos anos 40 o câncer foi responsável por 12% das mortes australianas. (1) Em 1992, este número tinha subido para 25,9% das mortes australianas. (2) A tendência crescente de mortes por câncer e incidência é típico da maioria das nações ocidentais. 

Foi dito que este aumento de câncer é apenas devido ao fato de que agora as pessoas vivem mais tempo do que os seus antepassados fizeram, e que, portanto, o aumento da doença é apenas devido ao fato de que mais pessoas estão vivendo mais e, assim, têm uma maior chance de contrair câncer. 

No entanto, este argumento é disprovido pelo fato de que esse mal é também cada vez maior nos grupos etários mais jovens, bem como pelos resultados de inúmeros estudos populacionais que têm ligados vários fatores de estilo de vida, em especial em culturas particulares onde são predominantes.


Diga que estas vacinas não servem para trazer danos à saúde das pessoas, e gerar lucros às indústrias farmacêuticas administradas pela elite globalista?
Confira:

- Pesquisa sobre o Câncer, uma grande fraude à paisana.

De acordo com um relatório na 'Nature', 88% dos estudos mais importantes sobre o câncer , publicado em prestigiadas revistas científicas, são muitas vezes falsos. Além disso, fica demonstrado que os tratamentos utilizados atualmente são baseados em falsas conclusões. O ex-diretor de pesquisa do câncer da Amgen, C. Glenn Begley, passou uma década na análise de estudos sobre esta doença. Junto com sua equipe, Begley decidiu jogar em todos os 53 estudos notáveis. Os resultados foram surpreendentes: 47 dos 53 estudos que examinaram eram impossíveis de replicar. (RT)
- A Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica da Argentina aprovou a primeira vacina terapêutica contra o câncer de pulmão. Ele estará disponível em julho.

Vaxira é Racotumomab, que foi desenvolvido por cientistas da Argentina, Cuba , Brasil e Singapura para 18 anos. Cidadãos argentinos e cubanos recebem gratuitamente. Brasil, México, Uruguai e Turquia estão prestes a iniciar o processo de aprovação e lançamento. Embora não possamos dizer que esta vacina representa a solução para a doença em si aumenta a expectativa de vida paciente


A Ortodoxa "Guerra contra o Câncer" falhou

"Minha avaliação geral é que o Programa Nacional de Câncer deve ser considerada um fracasso qualificado" - Dr. John Bailer, que passou 20 anos no staff do E.U. National Cancer Institute e foi editor da sua revista.(3) Dr. Bailer também afirma: "Os cinco anos de sobrevivência (estatísticas) da American Cancer Society são muito enganosos. Eles agora contam coisas que não são câncer e, porque somos capazes de diagnosticar mais cedo a doença, os pacientes falsamente parecem viver mais tempo. Nossa completa investigação sobre o câncer nos últimos 20 anos tem sido um fracasso total. Mais pessoas com mais de 30 estão a morrer disso do que nunca... Mais mulheres com doenças benignas estão sendo incluídos nas estatísticas e reportadas como "curadas". Quando funcionários do governo apontam para valores de sobrevivência e dizem que estão ganhando a guerra contra o câncer estão usando indevidamente as taxas de sobrevivência. "

Um relatório de 1986 do New England Journal of Medicine avaliou os progressos contra o câncer nos Estados Unidos durante os anos de 1950 a 1982. Apesar dos progressos contra algumas formas raras da doença, que representam 1 a 2 por cento do total de mortes causadas, o relatório concluiu que a taxa global de morte havia aumentado substancialmente desde 1950: "A principal conclusão a tirar é que cerca de 35 anos de intenso esforço centrado, em grande parte, melhorando o tratamento deve ser avaliada como um qualificado fracasso." O relatório concluiu ainda que "... Estamos perdendo a guerra contra o câncer" e argumentou a favor de uma mudança de ênfase na prevenção para se ter um 

A maioria dos casos de Câncer são evitáveis

Segundo a International Agency for Research in Cancer: "... 80-90 por cento do câncer humano é determinado pelo ambiente e, portanto, teoricamente evitáveis."(5) Ao ambiente incluem-se fatores ligados ao estilo de vida como o tabagismo, uma dieta rica em produtos de origem animal e pobre em frutas e hortaliças, a exposição excessiva à luz solar, os aditivos alimentares, álcool, trabalho de risco, poluição, radiação eletromagnética, e mesmo alguns medicamentos e procedimentos médicos. Mas, infelizmente, tal como expressa pelo médico historiador Hans Ruesch, "Apesar do reconhecimento geral de que 85 por cento de todos os cânceres é causado por influências ambientais, menos de 10 por cento do orçamento do (E.U.) Instituto Nacional do Câncer é dada às causas ambientais. E apesar do reconhecimento de que a maioria das causas ambientais estão ligados à nutrição, menos de 1 por cento do orçamento do Instituto Nacional do Câncer é dedicada à estudos com alimentação. 

Prevenção não é rentável para a indústria

Segundo o Dr. Robert Sharpe, "... Em nossa cultura, tratar doença é extremamente rentável, evitando, ela não é. Em 1985, os E.U., Europa Ocidental e Japão lançaram terapias de combate ao câncer. Foi estimado em mais de 3,2 bilhões de libras com o 'mercado' demonstrando um constante aumento anual de 10 por cento nos últimos cinco anos. Prevenir a doença beneficia apenas ao paciente. Tal como a indústria farmacêutica prospera com a mentalidade "comprimido para cada doente", muitos dos principais médicos são financeiramente sustentados caridosamente pelo sonho de um milagre, cada vez mais perto da cura." (7)


Desejo: Um Estado de não Cura?

De fato, alguns analistas consideram que a indústria do câncer é sustentado por uma política deliberada na direção errada. Por exemplo, no final dos anos 1970, depois de estudar as políticas, atividades e bens dos principais Instituições de Câncer dos Estados Unidos, os repórteres investigativos Robert Houston e Gary Null concluiram que estas instituições tinham se tornado perpétuas organizações cuja sobrevivência dependia do estado de não cura. 

Eles escreveram, "uma solução para o câncer implicaria o encerramento de programas de investigação, a obsolescência das qualificações, o fim de sonhos de glória pessoal. O triunfo sobre o câncer iria secar as contribuições para a auto-perpetuação caritativas e cortar os financiamentos do Congresso. Seria mortalmente ameaçar os estabelecimentos clínicos presentes, tornando obsoletos procedimentos (caros) cirúrgicos, radiológicos e tratamentos quimioterápicos em que tanto dinheiro, formação e equipamento são investidos. 

Esse medo, porém inconsciente, pode resultar em resistência e hostilidade para abordagens alternativas, na proporção em que são terapeuticamente promissoras. Novas terapias devem ser renegadas e vetadas a todo o custo, independentemente dos resultados reais, ensaio e, de preferência, sem qualquer teste. Como  veremos, este padrão tem na atualidade ocorrendo repetidamente, e quase de forma consistente."(8) Na verdade, muitas pessoas ao redor do mundo consideram que foram curadas por terapias que foram postas em uma «lista negra» pelas grandes organizações.

Quer dizer que todas as pessoas que trabalham na investigação do câncer na indústria são conscientemente parte de uma conspiração para atrasar a cura para o câncer? Autor G. Edward Griffin explica: "É óbvio que estas pessoas não bloqueiam conscientemente um controle para o câncer. Significa, contudo, que o monopólido do cartel médico [químico-farmacêutico] criou um clima de preconceito em nosso sistema educacional, na verdade científica, que muitas vezes é sacrificada a interesses próprios...Se o dinheiro é proveniente de empresas farmacêuticas, ou indiretamente através de empresas farmacêuticas, é claro o impulso na direção da investigação sobre as drogas. Isso não significa que alguém soprou o apito e disse: "ei, não investigue nutrição!" Isso apenas significa que ninguém está financiando a investigação na alimentação. Portanto, é uma verdade científica que muitas vezes é obscurecida por interesses". (9) 

Este ponto é igualmente expresso pelo Dr. Sidney Singer: "Investigadores trabalham para conceder dinheiro. Se não há dinheiro para os projetos que estão pessoalmente interessado, elas vão onde há dinheiro. Seus rendimentos provêm diretamente de seus subsídios, e não a partir das universidades. E eles querem agradar à fonte da concessão para obter mais subsídios para o futuro. A sua carreira depende disso."(10)


Dinheiro gasto em fraudulentas pesquisas?


Uma grande parte do dinheiro doado à investigação do câncer pelo público é gasto em animais de investigação que, desde o seu início, foi amplamente condenado como um desperdício de tempo e recursos. Por exemplo, considere o que diz o Dr. Irwin Bross, ex-diretor do Sloan-Kettering, o maior instituto de investigação de câncer no mundo e, em seguida, Diretor da Bioestatística em Roswell Park Memorial Institute for Cancer Research, Bufallo, NY: "A inutilidade da maioria dos estudos com modelo animal é menos conhecido. Por exemplo, a descoberta de agentes quimioterápicos para o tratamento do câncer humano é amplamente anunciada como uma vitória, devido à utilização de sistemas de modelo animal. Contudo existem poucas provas factuais que apoiem estas alegações. Com efeito, enquanto que os resultados muitas vezes conflitantes atrasam e dificultam avanços na guerra sobre o câncer, eles nunca produziram um único avanço substancial quer na prevenção ou tratamento de câncer humano. Por consequência, praticamente todos os agentes quimioterápicos, que são de valor no tratamento do câncer humano foram encontrados em um contexto clínico, em vez de estudos com animais". (11)

De fato, muitas das substâncias que causam câncer nos seres humanos são comercializados como "seguros", com base em ensaios em animais. Conforme expresso pelo Dr. Werner Hartinger da Alemanha, no que diz respeito aos produtos que causam câncer da indústria farmacêutica-petro-química: "Seu constante consumo é legalizado, com base em experiências com animais enganosa...Que seduz o consumidor a uma falsa sensação de segurança".(12)

Robert Ryan, B.Sc

Referências:

   1. d'Espaignet, E.T. et al., Trends in Australian Mortality 1921-1988, Australian Government Publishing Service (AGPS), Canberra, 1991, p. 33
   2. Australian Bureau of Statistics, Causes of Death, Australia 1992, ABS, Canberra, 1993, p.1
   3. Dr. Bailer, speaking at the Annual Meeting of the American Association for the Advancement of Science in May 1985, as quoted in Bette Overall, Animal Research Takes Lives - Humans and Animals BOTH Suffer, NZAVS, 1993, p.132
   4. Robert Sharpe, The Cruel Deception, Thorsons Publishing Group, Wellingborough, U.K. 1988, p.47
   5. Robert Sharpe, op. cit. 1988, p.47
   6. Hans Ruesch, Naked Empress - the Great Medical Fraud, CIVIS, Massagno/Lugano, Switzerland, 1992, p.77
   7. Robert Sharpe, op. cit. 1988, p.65
   8. as quoted in Hans Ruesch, op.cit. 1992, p.65-66
   9. Edward Griffin, The Politics of Cancer, (audio cassette) American Media, 1975 available from CAFMR $14.
  10. Sydney Singer, Medical Demystification (M.D.) Report, Vol.1 No.1 p.5., Medical Demystification Crusade, 1992, CA, U.S.A.
  11. Irwin Bross, as quoted in Robert Sharpe, op.cit., 1988 p.179
  12. Dr. Werner Hartinger, in a speech given at the 2nd International Scientific Congress of the Doctors in Britain Against Animal Experiments (D.B.A.E.), London, 24 Sept. 1992. 

Aviso: Este artigo é apresentado apenas para fins educacionais e não é concebido como um substituto para aconselhamento médico ou profissional. CAFMR declina qualquer responsabilidade em relação a qualquer pessoa que resultem directa ou indirectamente a partir do uso das informações fornecidas.

Campaign Against Fraudulent Medical Research
Edição e tradução: F.C.
http://www.medimagem.com.br/novo/noticia.php?id=10679&sec=3


Veja também : 
Vacinas podem ser mortais…
http://portrasmidiamundial.blogspot.com.br/2013/04/vacinas-podem-ser-mortais.html

Tribunal italiano : vacina MMR causou o autismo: Porque a mídia quer apagar essa história nos EUA ?
http://portrasmidiamundial.blogspot.com.br/2013/05/tribunal-italiano-vacina-mmr-causou-o.html
Share on Google Plus

Sobre: Adrien marinho II

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: