Bactérias comedoras de carne podem virar epidemia nos próximos anos

Processo evolutivo da Fasciite necrosante é simples e altamente perigoso para os humanos

Cientistas descobriram recentemente que as bactérias devoradoras de carne tem um caminho evolutivo assustadoramente simples. Em apenas 35 anos, a Fasciite necrosante passou de 'agente inofensivo' a 'terror infeccioso'. Apesar do apelido, ela não consome de fato carne, mas produz uma proteína que destrói pele, gordura e músculos em um curto período de tempo

Cientistas descobriram recentemente que as bactérias devoradoras de carne tem um caminho evolutivo assustadoramente simples. Em apenas 35 anos, a Fasciite necrosante passou de "agente inofensivo" a "terror infeccioso". Apesar do apelido, ela não consome de fato carne, mas produz uma proteína que destrói pele, gordura e músculos em um curto período de tempo

A doença é muito difícil de tratar. Apesar de os antibióticos funcionarem em alguns casos, é comum a enfermidade levar a amputações. Em 70% dos casos, a Fasciite necrosante leva à morte se não for tratada. O epidemiologista do Instituto Nacional de Saúde, David Morens, disse ao site The Verge que a bactéria evoluiu de algo não patogênico e se transformou em algo extremamente infeccioso

A bactéria sofreu quatro mutações nos últimos 35 anos. O microbiologista da Universidade de Iowa, Patrick Schlievert, que foi coautor do primeiro artigo sobre a bactéria, publicado em 1987, concorda com pesquisador. O microbiologista disse que se os cientistas não pararem o aparecimento de agentes super bem-sucedidos podem ter que lidar com uma epidemia
A bactéria sofreu quatro mutações nos últimos 35 anos. O microbiologista da Universidade de Iowa, Patrick Schlievert, que foi coautor do primeiro artigo sobre a bactéria, publicado em 1987, concorda com pesquisador. O microbiologista disse que se os cientistas não pararem o aparecimento de agentes super bem-sucedidos podem ter que lidar com uma epidemia

A doença destrói pele, gordura e músculos em um curto período de tempo. As vítimas, em geral, são as que têm baixa imunidade
A doença destrói pele, gordura e músculos em um curto período de tempo. As vítimas, em geral, são as que têm baixa imunidade

O guitarrista Jeff Hanneman, da banda Slayer, contraiu a doença após ser picado por uma aranha. O músico morreu de insuficiência hepática enquanto se recuperava. Ele chegou a retirar uma parte do músculo do braço
O guitarrista Jeff Hanneman, da banda Slayer, contraiu a doença após ser picado por uma aranha. O músico morreu de insuficiência hepática enquanto se recuperava. Ele chegou a retirar uma parte do músculo do braço

Dusty Collins, 27, mostra as cicatrizes deixadas pela bactéria comedora de carne, em 2008. Ele acredita que contraiu a doença em um acidente de carro


Dusty Collins, 27, mostra as cicatrizes deixadas pela bactéria comedora de carne, em 2008. Ele acredita que contraiu a doença em um acidente de carro


Sandy Wilson também contraiu a doença, em 2010, e teve de fazer uma cirurgia às pressas

Sandy Wilson também contraiu a doença, em 2010, e teve de fazer uma cirurgia às pressas

Aimee Copeland foi uma das vítimas da bactéria comedora de carne em 2008. Ela teve que amputar a perna esquerda, o pé direito e as duas mãos

Aimee Copeland foi uma das vítimas da bactéria comedora de carne em 2008. Ela teve que amputar a perna esquerda, o pé direito e as duas mãos



http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/fotos/bacterias-comedoras-de-carne-podem-virar-epidemia-nos-proximos-anos-22042014#!/foto/9

Share on Google Plus

Sobre: Adrien marinho II

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: