Temer vai se licenciar da presidência do PMDB; Jucá assume o posto

Reeleito no mês passado, ele deixará partido nas mãos de senador.
Temer avalia que Jucá pode defender sigla de ataques.


A assessoria do vice-presidente da República, Michel Temer, presidente nacional do PMDB, informou que ele se licenciará nesta terça-feira (5) do cargo no partido. Com a decisão, o comando da legenda passará para o primeiro-vice-presidente, senador Romero Jucá (RR). Conforme a assessoria de Temer, ele avalia que o senador terá "melhores condições" de responder aos "ataques" que a sigla tem sofrido nos últimos dias.

Em sua conta no Twitter, Jucá confirmou a troca. "Assumi hoje pela manhã a presidência do @PMDB_Nacional", escreveu ele. "Farei um pronunciamento às 15h30 no plenário do Senado".



À frente do PMDB desde 2001, Temer foi reeleito presidente do partido pelos próximos dois anos após convenção nacional realizada em Brasília há cerca de um mês. No mesmo evento, o partido recebeu pedidos de diretórios estaduais e dirigentes para que rompesse com o Palácio do Planalto e a entregasse os cargos no Executivo.
Na semana passada, o Diretório Nacional do PMDB aprovou, em sessão comandada por Romero Jucá, o desembarque do governo da presidente Dilma Rousseff e a entrega das cadeiras ocupadas na Esplanada – dos 32 ministérios, o partido comandava sete e, até agora, seis ministros permanecem em seus cargos.

Embora não tenha se pronunciado oficialmente desde o desembarque do PMDB do governo, Temer articulou nos bastidores a ruptura entre o partido e o Palácio do Planalto. Desde então, ele tem sido alvo de críticas por parte de petistas. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, disse em evento no último fim de semana que Temer tem de “aprender” sobre eleições – se a presidente Dilma sofrer impeachment via Congresso, o vice assume a Presidência da República.
Relação com Dilma

Em meio a um momento de turbulência política vivida pelo governo, a relação entre Temer e Dilma vive o maior desgaste desde 2011. Em dezembro do ano passado, por exemplo, o vice enviou uma carta a ela na qual disse que a presidente não confia na lealdade dele ou do PMDB. O resultado foi um comunicado, por parte dos dois, de que a relação entre eles passaria a ser institucional.
Na semana passada, o chefe de gabinete de Dilma, ministro Jaques Wagner, falou sobre o desembarque do PMDB articulado por Temer e avaliou que a relação entre ela e o vice-presidente, embora seja “respeitosa”, ficou “politicamente interditada”.
Jucá na presidência do PMDB

Integrante da ala peemedebista que defendeu o desembarque do partido do governo Dilma, Jucá se tornou primeiro-vice-presidente do PMDB após uma articulação entre Temer e a bancada do Senado. Inicialmente, peemedebistas da Casa defendiam uma candidatura patrocinada por Renan Calheiros (AL) e que fizesse oposição a Temer na disputa interna da legenda.

No intuito de permanecer no comando do partido, o vice-presidente da República, então, costurou um acordo para que os senadores mais próximos de Renan integrassem sua chapa, evitando, assim, uma segunda chapa. Com isso, Jucá foi deslocado na segunda para a primeira-vice-presidência e o senador Eunício Oliveira (CE) foi mantido como tesoureiro do PMDB.
Via: G1
Share on Google Plus

Sobre: Thais de Deus

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: