Jornalista de classe superior admite que a mídia é completamente falsa

De acordo com uma recente sondagem Gallup, apenas 4 em cada 10 americanos confiam na mídia de massa. No entanto, este número aparentemente otimista é provável devido a americanos simplesmente desconfiarem da facção dos principais meios de comunicação que não estão em conformidade com o seu lado do paradigma. 



Liberais têm dificuldade em acreditar na FOX News enquanto os conservadores têm dificuldade em acreditar na MSNBCNesse meio tempo, no entanto, de acordo com o Dr. Ulfkotte, todos eles estão manipulando você, para o mesmo objetivo - para lhe vender guerra.



Em entrevista à RT, o Dr. Udo Ulfkotte soltou uma bomba quando afirmou que a grande mídia escreve sob pressão direta CIA.






Eu fui um jornalista durante cerca de 25 anos, e eu fui educado para mentir, trair, e não para dizer a verdade ao público. 

Mas vendo agora nos últimos meses como as mídia alemã e americana tentam trazer a guerra para as pessoas na Europa, para trazer a guerra à Rússia - este é um ponto de não retorno e eu vou levantar e dizer que não é certo o que eu fiz no passado, para manipular as pessoas, para fazer propaganda contra a Rússia, e não é certo que os meus colegas fazem e fizeram no passado, porque eles são subornados para trair as pessoas, não só na Alemanha, mas em toda a Europa. 

-Dr. Udo Ulfkotte, um jornalista alemão superior e editor por mais de duas décadas 

Dr. Ulfkotte não está sozinho em suas reivindicações tampouco. Como assinala Zerohedge, vários repórteres fizeram o mesmo e este tipo de veracidade é algo que o mundo mais precisa.







Outro grande exemplo é a Amber Lyon , jornalista que ganhou três vezes um prêmio Emmy no CC, que disse que eles são rotineiramente pagos pelo governo dos Estados Unidos e governos estrangeiros para relatarem de forma seletiva e até distorcer informações sobre determinados eventos.  Ela também revelou que o governo tem o controle editorial sobre o conteúdo.





Esta operação da CIA começou com a Guerra Fria construída na década de 1950. Em uma tentativa de reunir informações e influenciar a opinião pública, a CIA recrutou jornalistas de todo os Estados Unidos. O programa operado por quase três décadas e foi profundamente enraizado no tecido do jornalismo americano. Estes jornalistas comprometidos forneceu o acesso directo CIA para alguns dos meios de comunicação de maior prestígio no país. O escopo da infiltração da mídia era vasto, abrangendo jornais, revistas, serviços de imprensa, agências de notícias, emissoras de rádio e de televisão, editoras e meios de comunicação estrangeiros. UMA   investigação do Congresso  pelo Comitê da Igreja expôs o programa de propaganda vasto, afirmando:



"A CIA mantém atualmente uma rede de várias centenas de indivíduos estrangeiros de todo o mundo que fornecem informação para a CIA e às vezes tentam influenciar a opinião através da utilização de propaganda disfarçada".

O respeitado jornalista Carl Bernstein, escrevendo sobre a profundidade da cooptação de mídia da CIA, escreveu em Rollingstone em 1977:

"Algumas das relações destes jornalistas com a Agência foram tácita; algumas eram explícitas. Houve cooperação, alojamento e sobreposição. Jornalistas forneceu uma gama completa de serviços clandestinos - desde a recolha de informações simples de servir como intermediários como ir com espiões em países comunistas. Repórteres compartilharam seus notebooks com a CIA. Editores compartilharam suas equipes. Alguns dos jornalistas foram vencedores do Prêmio Pulitzer, repórteres distintos que se consideravam os embaixadores sem pasta para seu país. A maioria eram menos exaltado - correspondentes estrangeiros que descobriram que a sua associação com a Agência ajudou seu trabalho; longarinas e freelancers que estavam tão interessados ​​na heroicidade do negócio de espionagem como em artigos de arquivamento; e, a categoria mais pequena, os empregados a tempo inteiro da CIA disfarçados como jornalistas no exterior. Em muitos casos, os documentos da CIA mostram, os jornalistas foram contratados para executar tarefas para a CIA, com o consentimento das administrações das organizações de notícias principais da América. "

Fonte:

http://www.wuc-news.com/2016/07/top-class-journalist-admits-ms-media-is.html


http://thefreethoughtproject.com/world-class-journalist-admits-mainstream-media-completely-fake-we-lie-cia/
Share on Google Plus

Sobre: Thais de Deus

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: