ISIS está trabalhando em Mossad / Plano CIA para criar uma Israel maior

Destruição da Síria é uma parte do plano sionista para criar uma "Grande Israel"?

O Plano - de acordo com o general americano Wesley Clark (Ret.): 

Em uma entrevista com Amy Goodman em 2 de março de 2007, o general americano Wesley Clark (. Ret), explica que a administração Bush planejava tirar 7 países em 5 anos: Iraque, Síria, Líbano, Líbia, Somália, Sudão, Irã

O sonho de Israel: O  roteiro rumo à criação da “GRANDE ISRAEL“


"Quanto mais o Médio-Oriente é levado pela destruição e horrores sectários, mais fácil falar de um dos grandes tabus da história contemporânea: o famoso "Plano Yinon" para construir o "Grande Israel" com golpes de guerras, de genocídios e conspirações.

Cada vez mais cidadãos de origem judaica denunciam as injustiças cometidas pelo Estado de Israel. E, se a um momento Norman Finkelstein era uma ovelha negra, agora é considerado como um excelente companheiro ...

Nós podemos esperar que este processo de consciência continue, para compreender e pôr um termo a esta grande aldrabice do governo de Israel ..." 
(Martina Smercan)
Fonte: http://gangdaervilha.blogspot.com.br/2015/11/o-plano-diabolico-do-grande-israel.html

O conceito de uma “Grande Israel”, segundo o fundador do sionismo  Theodore Herzl, é um Estado judeu “alongado” desde o rio do Egito (Nilo) até o Eufrates (Iraque). O Rabino Fischmann, da Agência Judaica para a Palestina, afirmou perante a Comissão Especial das Nações Unidas em 9 de  julho de 1947 que:
“A Terra Prometida se estende desde o rio do Egito até o rio Eufrates, que inclui partes da Síria e do Líbano ‘”, escreveu Michel Chossudovsky. (1)
Fonte:  http://thoth3126.com.br/grande-israel/


'The Israel Project Greater explicou por Ken O'Keefe:

Ken explica o conceito de 'The Israel Projeto Maior' e a balcanização de países vizinhos como forma de desestabilizar-los.

Balcanização é um termo geopolítica que foi originalmente usado para descrever o processo de fragmentação ou divisão de uma região ou estado em regiões menores ou estados que são muitas vezes hostil ou não-cooperação com o outro.

A cabeça da cobra, o sistema de poder, é liderado pelo sistema financeiro.

Os banqueiros governar a Terra por meio do controle privado da emissão de dinheiro, dinheiro baseado em dívida que todos nós estamos supostamente para pagar com coisas como medidas de austeridade, o que lhes permite fornecer-se um suprimento infinito de dinheiro que significa que eles podem comprar qualquer coisa e qualquer modo, vemos que os governos do mundo não são nada além de fantoches de banqueiros que controlam a sua oferta de moeda.
Os banqueiros no topo desta pirâmide são psicopatas.

 Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: 

“Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”.
UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel hoje: 
“Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).
Assim, o Grande Israel deve existir “desde o rio Nilo até o rio Eufrates.” A Tese detalhada de Herzl foi escrita em 1904. No mesmo artigo é citado o Plano Yinon(1982) em matéria de Mahdi Darius Nazemroaya”… uma continuação do projeto colonial da Grã-Bretanha no Oriente Médio”:
“(O plano Yinon) é um plano estratégico de Israel para garantir a superioridade israelense regional, no Oriente Médio. Ele insiste e estipula que Israel deve reconfigurar seu ambiente geopolítico através da balcanização dos estados árabes vizinhos em estados menores e mais fracos.
“Estrategistas israelenses viram o Iraque como seu maior desafio estratégico de um estado árabe. É por isso que o Iraque foi descrito como a peça central para a balcanização do Oriente Médio e do mundo árabe. No Iraque, a partir dos conceitos do Plano Yinon, os estrategistas israelenses pediram a divisão do Iraque em um estado curdo (Curdistão) e em mais dois países árabes, um para os muçulmanos xiitas e outro para os muçulmanos sunitas. O primeiro passo para estabelecer esta ideia foi uma guerra entre o Iraque e o IRÃ, que o Plano de Yinon discute “.
Na época que Yinon escreveu, guerra  IRÃ-Iraque  impulsionada pelo ocidente (EUA-OTAN) já estava em seu segundo ano – com mais seis anos ainda de tragédia, perdas de vidas e desgosto, incontáveis viúvas, crianças órfãs, homens e civis mutilados, em ambos os lados da fronteira comum entre IRÃ e o Iraque. O pedágio cobrado em vidas, na saúde e destruição de cidades foi comparado ao da 1ª Guerra Mundial.
Para o Iraque é claro, foi um erro histórico, praticamente entrou na guerra como “procurador” para o (controlado) regime norte-americano, então obcecado contra o regime do Islã, que, no IRÃ, eles tinham decidido que era o tipo de islamismo errado (para os interesses dos EUA e Israel). 
O que a fé religiosa de uma nação situada a milhares de quilômetros de distância tinha a ver com Capitol Hill, em Washington, permanece um “mistério”. Um dia depois que a guerra devastadora terminou, os EUA substituíram o Iraque pela URSS de então como o país que era a maior ameaça para a “segurança” da América. A guerra devastadora, transformou a nação do Iraque, na época, em pouco menos de dezessete milhões de pessoas. (2)
Depois veio a disputa do Iraque com o Kuwait sobre alegado “roubo de petróleo” e a desestabilização do Dinar (moeda) iraquiano com o então embaixador dos EUA April Glaspie (em nome de Washington) pessoalmente dando a Saddam Hussein luz verde para invadir o pequeno e desarmado país do Kuwait quando quisesse.
O Iraque foi a seguinte nação que foi paralisada por um embargo da ONU, que se seguiu a `invasão do Kuwait, a invasão e a dizimação do pais no ataque e na invasão dos EUA ao Iraque em 2003 e a sua ocupação total – e uma outra espiral orquestrada de controle – e a tragédia subsequente e agora já até se fala abertamente de que TUDO VEM SENDO planejado há décadas, o objetivo final buscado sendo o DESMEMBRAMENTO DO IRAQUE.
“Missão cumprida”, tanto para os EUA com seu redesenho geopolítico planejado há muito tempo no Oriente Médio e nos países do Norte da África – e Israel, através de cuja amizade com a autocracia curda do noroeste do Iraque, foi criado para tornar-se muito bem um parceiro em um Curdistão autônomo, independente do Iraque. Um antigo e acalentado sonho se tornando realidade, um terrítório para “o povo eleito”desde o rio Nilo ao rio Eufrates”, a fruição final do objetivo após setenta anos de manipulação e agressão para a dominação e controle de toda a região.
Primeiro vamos separar as coisas; diversas comunidades, sérias e muçulmanas manifestando suas opiniões, como no caso do Presidente sudanês Omar Hassan al-Bashir em afirmar: “ O Isis ..seus métodos…são brutais e é uma afronta ao Islã, distorcendo a imagem da religião Islamita".
Infelizmente para muitos cristãos em 98% dos casos, não há esta distinção, não apenas por causa do espírito prosélito destas denominações, más também com a ajuda das falsa crenças bíblicas; como no exemplo da teoria “ISRAEL o Relógio de Deus”, que dá um toque final no controle coletivo destas consciências; onde interpretam a visão de Israel como o povo de Deus e os muçulmanos como inimigos dele e os verdadeiros representantes do mal e até mesmo a besta apocalíptica; e com a ajuda das distorções visuais centrada nas propagandas televisivas controladas da mídia SIONISTA, está completo o jogo das ilusões.

Portanto; fatos são adulterados, manipulados para conduzir a opinião coletiva em favor do expansionismo imperial. Como no exemplo da faixa de Gaza; “de que Israel só se defende, de quem inicia os conflitos são os palestinos e assim por diante.”
Assim a população cristã sempre justifica o massacre e genocídio em GAZA como culpados e resposáveis, por isso; na verdade; seus heróis (HAMAS), que iniciam os conflitos e indiretamente causam a morte de milhares de seus compatriotas. E assim a maioria das consciências populares que em maior parcela pe cristã, caem no jogo, facilitando ainda mais as crença nas operações secretas e falsas bandeiras da Cia, Mossad e Otam.

Os Planos sionista para o Oriente Médio

Em 1982, Oded Yinon, um jornalista israelense com ligações no Ministério do exterior de Israel, escreveu: O Plano sionista para o Oriente Médio. 

O Livro Branco propôs "que todos os Estados árabes devessem ser divididos, por Israel, em pequenas unidades" e a "dissolução da Síria e do Iraque, mais tarde, em áreas exclusivas étnicas ou religiosas, como no Líbano, é alvo primário de Israel na frente oriental, a longo prazo."

A destruição dos estados árabes e muçulmanos, Yinon sugeriu, seria realizado a partir de dentro, explorando suas tensões étnicas e religiosas internas. Agora vejam isso:

Uma quebra limpa
Em 1996 o Institute for Advanced Strategic e Political Studies, patrocinou e publicou um documento intitulado “Uma quebra limpa: uma nova estratégia de segurança para região,” que argumentava que o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu “deveria fazer uma ‘quebra limpa’ do processo de paz de Oslo e reassumir a reivindicação da Cisjordânia e de Gaza”. O documento apresentou um plano onde Israel deveria “formular seu ambiente estratégico,” começando com a derrubada de Saddam Hussein e a instalação da monarquia hashimita em Bagdá para servir de primeiro passo em direção a eliminação dos governos anti-Israel da Síria, do Líbano, da Arábia Saudita e do Irã”.

Brian Whitaker relatou em um artigo de setembro 2002,  publicado no The Guardian que "vários dos autores do papel Clean Break agora ocupam posições-chave em Washington”, o plano de Israel de transcender seus inimigos por remodelar o Oriente Médio parece um bom negócio mais alcançável hoje do que em 1996.

E curiosamente um destes planos seria desestabilizar e derrubar o governo Sírio. Vejam o relatório: A Clean Break: A New Strategy for Securing the Realm

O Diário de Sharett

De acordo com o diário pessoal do ex-primeiro-ministro israelense Moshe Sharett, revelado em seu diário que fala em linguagem explícita, que a liderança política e militares de Israel nunca acreditaram em qualquer perigo árabe a Israel", escreve Ralph Schoenman.

"Eles tentaram manobrar e forçar os Estados árabes em confrontos militares que a liderança sionista estavam certos de ganhar, assim Israel poderia realizar a desestabilização dos regimes árabes e a ocupação planejada de território adicional."

- E agora tudo que afirmava esses relatórios estão se cumprindo, curioso né ?

Continua : http://aespadademiguel.com/eua-israel/estados-islamicos-cria-eua-israel-dominio-7-paises-oriente-medio/

Fonte : http://www.theeventchronicle.com/media/interview/journalist-eva-bartlett-im-back-from-syria-the-media-is-lying-to-you/

Share on Google Plus

Sobre: Adrien marinho II

Adrien Marinho . Sou agnóstico teísta, formado em direito, publicidade. Sei desenhar, tocar guitarra, bateria e tenho TDAH. O motivo do site é o mesmo da pagina, alertar as pessoas com mais detalhes e conteúdo sobre as informações camufladas pela televisão e mídia num modo geral. Explicando com mais detalhes os escândalos envolvendo vacina, remédio, alimentação, Projeto Blue Beam , Iluminati. e tudo que se encontra oculto em nossa sociedade.
    Comentário no Blogger
    Comentário no Facebook

0 comentários: